pesquisar neste blog
posts recentes

Identidade digital vs. Identidade online

Identidade digital - novo tema

Primeiros passos

Apresentação

arquivos

Dezembro 2010

Outubro 2010

Sexta-feira, 10 de Dezembro de 2010
Identidade digital vs. Identidade online

Quando falamos em identidade digital estamo-nos a referir ao aspecto tecnológico da mesma. Uma identidade é digital quando representada nesse meio e pode ou não ser humana. Autenticação (xAuth, OAuth, Public/Private keys, …), identificadores (OpenID, …) e segurança, são alguns dos temas abordados.

 

Identidade online por sua vez não é mais do que a identidade social de um dado utilizador na internet. Esta identidade é estabelecida em contextos sociais como, entre outros, fóruns, serviços de mensagens, redes sociais, jogos multiplayer, etc. Pode em certos casos coincidir com a identidade offline da pessoa mas também pode ser anónima. A representação imagética da pessoa poderá reflectir essa mesma escolha através de uma foto do eu offline ou avatares que representem a identidade criada. E claro, se uma pessoa pode criar uma identidade alternativa à sua identidade offline pode criar duas ou mais, a título de exemplo, uma identidade focada na carreira profissional e outra direccionada para o lazer evitando assim situações constrangedoras. Incluído em identidade online estão também questões de segurança (privacidade (pegada digital), aspectos legais e direitos de autor), sistemas de recomendação/reputação (ex. vendedores na amazon),  autenticidade,  entre outras.

Em suma, identidade online trata a representação do eu como individuo em contexto online assim como a sua interacção nesse mesmo contexto.

 

Identidade online parece ser o caminho mais acertado a seguir daqui para a frente. Das duas áreas mencionadas é a que melhor se enquadra no meu projecto ao qual grande parte dos aspectos tecnológicos abordados em identidade digital será transparente, e acima de tudo, foca-se mais no utilizador ena sua identidade e interacção em contexto online.

 


tags: , , , ,

publicado por aneves às 00:13

Sábado, 4 de Dezembro de 2010
Identidade digital - novo tema

Após apresentar e analisar com ambos os meus orientadores aqueles que iriam ser os tópicos principais para a minha contextualização teórica, assim como alguns pontos de maior relevância, chegou-se à conclusão que a minha tese necessitava de uma mudança de tema. O problema com o tema e-Portefólios é a sua complexidade. Não existe uma só definição para portefólio e muito menos somente um uso. Existem diversos pontos de vista sobre o que é um portefólio e diversos autores que defendem definições bastante distintas umas das outras. Na quinta-feira passada o Prof. Carlos Santos partilhou comigo o seguinte artigo http://campustechnology.com/articles/2010/12/01/review-of-portfolios-in-higher-education.aspx que ajuda a entender esta necessidade de mudança demonstrando diversos usos (e consequentemente perspectivas) dados aos portefólios em contexto académico.

 

The Association for Authentic, Experiential and Evidence-Based Learning (AAEEBL.org) conducted a survey of its 100 institutional members in five countries this year and found 61 distinct uses of portfolios among the 20 institutions that responded.

 

Sendo assim, a minha tese mudou ligeiramente de rumo e passará a focar-se num tema mais estável e menos propenso a ferir susceptibilidades - identidade digital.

 

Palavras-chave: digital identity, online identity, digital footprint.

 

Dos tópicos principais previamente apresentados para a contextualização teórica, apenas um será mudado.

 


tags: , , , ,

publicado por aneves às 20:09
6

Quarta-feira, 13 de Outubro de 2010
Primeiros passos

Razões para a minha escolha

 

Parte da resposta a esta questão já se encontra no meu post anterior. : )

Assim que acabei o meu estágio de final de curso fui convidado a continuar o meu trabalho no Sapo Campus. A razão que me levou a aceitar esta proposta foi a possibilidade de conciliar (experiência de) trabalho e estudos académicos.

Quanto ao tema foram principalmente duas as razões que me fizeram manter o proposto:

  1. as relativas à minha experiência pessoal como estudante face à tarefa de guardar e organizar para posteriormente reunir e desenvolver um portefólio
  2. a componente prática que apresenta sem dúvida um grande desafio e que, tendo em conta que não sou muito fã de trabalho teórico, contribui para fortalecer a minha motivação

 

Título (opções)

 

Primeiros passos


tags: , , , , ,

publicado por aneves às 12:25
1

Terça-feira, 5 de Outubro de 2010
Apresentação

Mal acabou a minha experiência como estudante de Erasmus em Kiel, na Alemanha, começou o meu estágio e a minha experiência como web-developer no projecto SAPO Campus do laboratório do SAPO na UA. Nas negociações iniciais foi-me proposto pegar na componente P3 deste projecto, os e-Portefólios.

 

Pouco após o final do meu estágio acabei por me afastar desta componente e dedicar a maioria do meu tempo no desenvolvimento de widgets para o my.ua. Agora que se iniciou o segundo e ultimo ano lectivo do mestrado está na hora de voltar a pegar nesta componente, mas desta vez, como tese de mestrado.

 

A minha motivação para esta tese parte da minha experiência pessoal como estudante. Dou por mim no final de cada semestre a tentar organizar o que é muitas vezes uma confusão de múltiplas versões de trabalhos nos quais mais do que uma pessoa trabalha quando se trata de um trabalho em grupo. No decorrer deste processo apercebo-me diversas vezes que me falta um ou mais trabalhos ou que a ultima versão que tenho não é de facto a ultima. Escusado será dizer que quase sempre, para não dizer sempre, não chego a resolver esta situação.

 

Se alguém me pedisse neste momento para reunir um portefólio da minha licenciatura, uma boa percentagem de trabalhos não seriam versões finais ou nem os encontraria sequer, isto é, caso me lembrasse à partida da existência dos trabalhos em falta. Não sou de certeza um caso isolado até porque já me questionaram várias vezes por trabalhos “desaparecidos”.

 

Nos dias de hoje ainda utilizamos ferramentas básicas para a entrega de trabalhos (e-mail) ou então plataformas no qual nos limitamos a fazer upload de um ficheiro. Em ambos esses casos o ficheiro é entregue ao docente e o aluno (assim como a restante comunidade académica) não tem acesso ao mesmo. Como já foi dito, se num grupo de 4 membros um deles for o responsável de terminar e entregar um trabalho, o mais provável é os restantes nunca verem a versão final.

 

É neste âmbito que se insere o serviço de e-Portefólios do SAPO Campus. Numa primeira fase o aluno poderá fazer o upload dos seus trabalhos usando o SAPO Campus ou serviços externos consoante o objectivo (Mindmeister, Slideshare, ...). Numa segunda fase, e é aqui que esta o objectivo deste serviço, o utilizador poderá seleccionar os seus trabalhos quer de serviços internos (SAPO Campus Blogs/Vídeos/Fotos/Wikis) como de serviços externos e assim reunir um portefólio digital.

 

Para finalizar, a utilização de tais ferramentas, além de possibilitar e incitar a interacção da comunidade académica permite um reaproveitamento de conteúdo, que de outra forma, seria muito provavelmente esquecido ou perdido.


tags: , , , , ,

publicado por aneves às 19:44
4


mais sobre mim
Dezembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários